Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Dicas de Saúde As causas da perda auditiva e da surdez
25/04/2018 - 12h29m

As causas da perda auditiva e da surdez

Segundo a OMS, 466 milhões de pessoas no mundo sofrem com problemas auditivos hoje em dia - sendo 34 milhões crianças -, enquanto há cinco anos o número total de casos era de 360 milhões.

As causas da perda auditiva e da surdez

Fontes: apaebrasil.org.br / epocanegocios.globo.com / saude.abril.com.br

No dia 24 de abril foi celebrado o Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais (Libras). No Brasil, mais de 9,7 milhões de pessoas apresentam algum grau de deficiência auditiva.  Desse total, segundo o Censo de 2010 do IBGE, cerca de 2,2 milhões têm deficiência auditiva em situação severa, das quais 344,2 mil são surdas.  

O sistema de Libras é considerado pelas comunidades surdas como sua língua materna, antes mesmo do idioma nativo.  Diferente do que muita gente pensa, não se trata de uma linguagem composta apenas por gestos e mímicas. 

Na verdade, ela apresenta uma série de palavras, sinais e expressões que formam uma estrutura gramatical e semântica própria. É um meio de comunicação e interação social, que abre as portas para oportunidades pessoais e profissionais.  

O Dia Nacional da Libras foi instituído, principalmente, como alerta para as grandes dificuldades em acessibilidade que esses cidadãos enfrentam, da socialização ao mercado de trabalho. 

Causas da perda auditiva

Problemas como diabetes e até osteoporose contribuem para a surdez se instaurar 

A audição é um dos fenômenos mais delicados do corpo humano. Conversar ou ouvir os Beatles depende dos nossos menores ossos e de 30 mil microssensores com formato de pelinhos, movidos por um líquido armazenado em uma estrutura que lembra um caracol. 

Eles é que guiam as ondas sonoras até virarem mensagens lidas pelo cérebro. O avançar dos anos enferruja essa orquestra, mas o fato é que várias condições podem sabotá-la. O curioso é que muitas delas não têm (aparentemente) nada a ver com as orelhas. 

1. Obesidade

O prejuízo auditivo engordou a coleção de problemas relacionados à obesidade. Pesquisadores da Universidade Colúmbia, nos Estados Unidos, observaram, em um levantamento com 1500 adolescentes, que 15% dos jovens acima do peso sofriam com algum grau de perda de audição, o dobro do que foi visto na garotada em forma. Embora ainda não haja uma explicação definitiva sobre esse elo, o otorrino e líder do estudo, Anil Lalwani, destaca uma hipótese: o baixo nível de adiponectina entre os obesos. 

Essa substância tem efeito anti-inflamatório e ajudaria a resguardar os vasinhos nas redondezas do ouvido. O impacto dos quilos extras na audição também foi apontado em outra megapesquisa americana. Ao cruzar os dados de 68 mil enfermeiras acompanhadas por ano, verificou-se que a probabilidade de ter um déficit auditivo era 22% maior entre as gordinhas. 

E há uma coincidência: os sons começaram a sumir justamente quando o peso saiu de controle. “O primeiro sinal do sofrimento das células ciliadas do ouvido é o zumbido. Se a agressão continuar, vem a perda auditiva pra valer”, avisa Castilho. Ao que parece, uma das formas de minimizar essa agressão é eliminar os quilos a mais. 

2. Micróbios

Vírus, bactérias e fungos, ávidos visitantes do corpo humano, não poupam os ouvidos. Eles têm até um atalho para chegar lá. Entre a orelha e a garganta, há um pequeno tubo, a trompa de Eustáquio, que drena líquidos e mantém a pressão no ouvido numa boa. Ela abre e fecha sozinha, mas às vezes fica bloqueada – é isso que gera aquela sensação incômoda dentro do avião, por exemplo. Só que esse caminho pode ser interditado pelo acúmulo de muco e pus nas vias respiratórias, quadro comum em infecções como a gripe. 

Se isso ocorre, os fluidos se acumulam no ouvido. Sem aquela drenagem, os micróbios, sobretudo as bactérias, se multiplicam e dominam o pedaço – é a otite. Com o ouvido parcialmente bloqueado, você deixa de ouvir cerca de 24 decibéis, o que equivale a viver com fones na orelha. Se a infecção piorar, a perda pode chegar a 48 decibéis e já há dificuldade pra pegar uma conversa. O drama é que os invasores podem viajar até a cóclea e danificar cílios e nervos. 

“E aí é uma via de mão dupla”, diz o médico Sady Selaimen da Costa, presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Por isso, déficits auditivos em meio a perrengues nas vias aéreas cobram o olhar do otorrino. E situações como meningite e HIV despertam alerta máximo pelo seu potencial de retaliações no ouvido. 

3. Diabetes

Excesso de açúcar na corrente sanguínea é sinônimo de encrenca para os pequenos vasos que têm de abastecer as estruturas do ouvido. “As células ciliadas [os pelinhos que ficam na cóclea] são muito sensíveis. Por causa disso, alterações como o aumento ou a carência de glicose na circulação podem atrapalhar seu funcionamento”, ensina Castilho. 

Ora, é por meio do sangue que as células de cada canto do organismo são alimentadas e protegidas. Se o plasma fica viscoso demais, como costuma ocorrer na diabete fora de controle, o fornecimento a áreas mais delicadas fica comprometido e os vasinhos podem sofrer lesões. Isso explica por que 90% dos diabéticos do tipo 1 e 60% dos portadores do tipo 2 desenvolvem problemas de visão, como a retinopatia. 

No ouvido, a situação é bem parecida, e, não é à toa, a Associação Americana de Diabete estima que pessoas com a doença tenham uma propensão duas vezes maior de desenvolver deficiência auditiva. Mesmo quem tem pré-diabete não escapa desse risco: dificuldades para ouvir são 30% mais comuns em quem vive com a glicemia entre 100 e 125 mg/dl. Diante das evidências, o recado é ficar de olho nos níveis de glicose e, com tratamento adequado e mudanças de hábito, frear o diabete para ouvir bem a vida inteira. 

4. Pressão alta

Apesar de ficar dentro da cabeça, ao lado do cérebro, o ouvido interno é um órgão relativamente isolado. E sua irrigação até que depende de poucas artérias. Não precisa de muito estrago, portanto, pra haver algum enrosco na captação dos sons. Além do diabete e do excesso de peso, os vasos sofrem quando a hipertensão aparece. Em médio e longo prazo, ela corrompe o fluxo sanguíneo para o ouvido. 

“E, tendo menos circulação nessa área, o indivíduo vai perder a audição aos poucos”, alerta Ricardo Bento. Para prevenir a fuga da audição, a pressão tem de ser domada – o ideal é que ela fique abaixo de 140 por 90 mmHG. 

Cuidar da dieta, maneirando no sódio e na gordura, praticar atividade física e dormir direito são alguns dos pilares do controle, que ainda exige, se o médico julgar necessário, o uso de remédios. Não dá pra se descuidar por outra razão. “Em geral, um hipertenso não é só hipertenso”, afirma o otorrino Selaimen da Costa, que também é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Em outras palavras, é comum que a pressão alta venha acompanhada de barriga, diabete… Aí já viu: temos um combo de fatores afetando a saúde auditiva. Quer goste, quer não, verdade é que o estilo de vida saudável é crucial para debelar esse trio. Convém dar ouvidos a isso. 

5. Osteoporose

Um estudo de Taiwan que acaba de ser publicado no periódico Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism cruzou prontuários médicos de mais de 10 mil cidadãos diagnosticados com osteoporose e constatou que, em comparação com pessoas livres do problema, a presença do distúrbio está associada a um risco 76% maior de surdez. O ouvido dispõe de três ossinhos: o martelo, a bigorna e o estribo. 

E é natural que a gente pense que o seu enfraquecimento tenha algo a ver com o achado. No entanto, nada é tão simples quanto parece. Os cientistas creem que, mesmo fragilizados, tais ossos continuam cumprindo seu papel. Eles apostam, na verdade, que são problemas vasculares comuns às duas condições que ligariam uma coisa à outra. Além disso, não dá pra descartar o duplo impacto da idade nessa história. 

Outras causas ou fatores que colaboram para a perda de audição: 

  • Exposição constante a ruídos ou música alta no fone de ouvido
  • Problemas de tireoide
  • Tumores
  • Traumas e acidentes
  • Tabagismo

Uso indiscriminado ou excessivo de medicamentos (como ácido acetilsalicílico, antibióticos e diuréticos) 

OMS adverte que 900 milhões de pessoas podem ter surdez até 2050

Segundo a OMS, 466 milhões de pessoas no mundo sofrem com problemas auditivos hoje em dia - sendo 34 milhões crianças. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse nesta quinta-feira que 900 milhões de pessoas poderiam ter surdez até 2050, quase o dobro da quantidade atual, e fez um apelo aos governos para que tomem medidas para frear este aumento. 

Por causa do Dia Mundial da Audição, lembrado em 3 de março, a OMS apresentou uma campanha para prevenir e advertir dos desafios que devem ser abordados no campo da audição nos próximos 30 anos. 

Segundo a OMS, 466 milhões de pessoas no mundo sofrem com problemas auditivos hoje em dia - sendo 34 milhões crianças -, enquanto há cinco anos o número total de casos era de 360 milhões. A organização também calculou que em 2030 o número de afetados poderia alcançar os 630 milhões. 

Segundo a OMS, a perda de audição afeta as pessoas de várias maneiras e tem um grande impacto nas habilidades comunicativas das pessoas e também nas suas capacidades sociais, de aprendizagem e de trabalho, por sua vez contribui para a pobreza, ao isolamento social e a uma maior sensação de solidão. 

Neste sentido, segundo a OMS, o fato de não abordar os problemas auditivos custa aos Estados US$ 750 bilhões por ano em custos diretos de saúde e perda de produtividade. De acordo com a organização, a metade dos casos de surdez poderia ser prevenida e, no caso das crianças, 60% deles.

Ações do documento