Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Dicas de Saúde Como prevenir e tratar o esporão de calcâneo
08/09/2017 - 09h23m

Como prevenir e tratar o esporão de calcâneo

O osso de maior tamanho na estrutura óssea do pé é o calcâneo. Ele suporta todo o peso do nosso corpo, sofrendo, dessa maneira, um impacto intenso e constante.

Como prevenir e tratar o esporão de calcâneo

Fonte: www.minhavida.com.br

Um dos motivos mais frequentes para a procura ortopédica são as queixas de dores no calcanhar. Microtraumatismos no osso calcâneo podem levar à formação do esporão. 

As mesmas lesões que, normalmente, desencadeiam o surgimento da chamada fascite plantar, inflamação da fáscia plantar, tecido que recobre a musculatura da sola do pé, também provocam o aparecimento do esporão de calcâneo. 

Mas, a dor característica não decorre do esporão, como muitas pessoas imaginam, mas sim da inflamação do tendão e da fáscia. As mulheres são as mais suscetíveis ao problema.

O que é o esporão de calcâneo?

A planta do pé é composta por estruturas elásticas (músculo) e rígidas (fáscia) que aumentam, na prática, a eficiência do impulso e potencializam a força dos músculos flexores curtos dos dedos. O esporão de calcâneo é caracterizado por uma protuberância óssea na base do osso calcâneo (na sola do pé) ou ainda na região posterior do calcâneo, bem próximo à inserção do tendão de Aquiles.

Essa inflamação crônica da parte inferior do calcanhar afeta, não apenas, o osso calcâneo, mas também os tendões. E, caso a inflamação se estenda por um tempo prolongado, pode acabar levando à calcificação dos tecidos ao redor do osso do calcanhar, esse fenômeno é o que leva à formação dos esporões. O nome popular da doença, "esporão de galo", associa-se, justamente, a essa calcificação semelhante à espora do galo.

Causas do esporão de calcâneo

Situações variáveis que causem um estresse crônico à região do calcanhar podem provocar o surgimento de um esporão. Pessoas com a curvatura dos pés acentuada, que sofrem com o sobrepeso ou que trabalham em pé durante muito tempo têm forte tendência a apresentar o problema.

Outros fatores de risco para o surgimento do esporão de calcâneo são:

  • Usar, excessivamente, salto alto ou calçados que sejam pouco apropriados para os pés. É o caso de sapatos muito apertados ou velhos
  • Praticar esportes com forte impacto nos pés. Dança e corrida, por exemplo
  • Alterar a marcha, como pisar com o pé torto.
  • Sintomas do esporão de calcâneo

Dificilmente o esporão causa um sinal aparente, como vermelhidão ou inflamação. O que caracteriza, de fato, o problema é a dor. Geralmente, a dor é pulsante na zona plantar do calcanhar. Mas atenção: nem toda dor nessa região é esporão e há casos em que o problema é assintomático.

Tratamento para o esporão de calcâneo

Inicialmente, a inflamação pode ser controlada com repouso e gelo local. Mas nos casos em que há resistência, a melhor forma de tratamento é a fisioterapia que oferece exercícios e alongamentos bem específicos para os pés e as panturrilhas. A grande maioria dos pacientes responde muito bem ao tratamento com técnicas fisioterapêuticas.

Algumas dicas para praticar em casa:

Alguns exercícios simples são eficazes no alívio dos sintomas do esporão de calcâneo. Podem ser feitos em casa e evitam, muitas vezes, o uso de remédios e até cirurgias. Mas, atenção! Só inicie sua fisioterapia em casa com os pés desinchados. Execute os movimentos, pelo menos, duas vezes ao dia e evite atividades esportivas durante as duas primeiras semanas.

1) Ande descalço em terreno regular sempre que possível, pois isso favorece o alongamento da planta do pé;

2) Ao acordar, ainda deitado de costas, aponte os dedos dos pés em direção à cabeça por 20 segundos. Repita cinco vezes;

3) Alongue a planta do pé. Apoie os dedos dos pés na parede e o calcanhar no chão, então escorregue os dedos devagar até que a sola do pé encoste totalmente no chão. Repita esse movimento oito vezes por dia em cada perna;

4) Alongue a panturrilha usando uma rampa. Enquanto uma perna descansa no alto da rampa, a outra fica na base com o joelho esticado. Mantenha o calcanhar na rampa e aproxime o corpo do apoio. Deixe a coluna reta e mantenha a posição por 20 segundos. Faça esse exercício oito vezes em cada perna;

5) Repita o movimento anterior, agora com o joelho dobrado. Também por 20 segundos e oito vezes em cada perna.

1) Ande descalço em terreno regular sempre que possível, pois isso favorece o alongamento da planta do pé; 

2) Ao acordar, ainda deitado de costas, aponte os dedos dos pés em direção à cabeça por 20 segundos. Repita cinco vezes;

3) Alongue a planta do pé. Apoie os dedos dos pés na parede e o calcanhar no chão, então escorregue os dedos devagar até que a sola do pé encoste totalmente no chão. Repita esse movimento oito vezes por dia em cada perna;

4) Alongue a panturrilha usando uma rampa. Enquanto uma perna descansa no alto da rampa, a outra fica na base com o joelho esticado. Mantenha o calcanhar na rampa e aproxime o corpo do apoio. Deixe a coluna reta e mantenha a posição por 20 segundos. Faça esse exercício oito vezes em cada perna; 

5) Repita o movimento anterior, agora com o joelho dobrado. Também por 20 segundos e oito vezes em cada perna.

Ações do documento